Teatro Romano de Olisipo: a marca do novo poder romano

Please download to get full document.

View again

of 12
22 views
PDF
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
Document Description
Teatro Romano de Olisipo: a marca do novo poder romano
Document Share
Document Tags
Document Transcript
  Patrocinador oficial FUNDAÇÃO MILLENIUM BCP 150 anos    Coordenação editorial: José Morais Arnaud, Andrea Martins, César NevesDesign gráfico: Flatland DesignProdução: DPI Cromotipo – Oficina de Artes Gráficas, Lda.Tiragem: 400 exemplaresDepósito Legal: 366919/13ISBN: 978-972-9451-52-2Associação dos Arqueólogos PortuguesesLisboa, 2013 O conteúdo dos artigos é da inteira responsabilidade dos autores. Sendo assim a As sociação dos Arqueólogos Portugueses declina qualquer responsabilidade por eventuais equívocos ou questões de ordem ética e legal.Os desenhos da primeira e última páginas são, respectivamente, da autoria de Sara Cura e Carlos Boavida.Patrocinador oficial Apoio institucional   765 Arqueologia em Portugal – 150 Anos teatro romano de olisipo: a marca do novo poder romano Lídia Fernandes  / Coordenadora do Museu do Teatro Romano de Lisboa (Câmara Municipal de Lisboa) / Arqueóloga. Mestre em História de Arte / lidia.fernandes@cm -lisboa.pt  RESUMO A edificação do teatro nos inícios do séc. I d.C. inaugurou uma nova realidade urbanística na antiga cidade de Olisipo . A escolha do local para a construção deste edifício, situado a meia encosta de uma colina de acentuado declive, obrigou a um ambicioso projecto de engenharia e uma profunda contenção da encosta. A criação de terraços, ou plataformas, na vertente a sul do teatro, vencendo um acentuado desnível, obrigou à remoção de um enorme volume de terra e a uma cuidada planificação da construção.Um sábio aproveitamento dos recursos naturais e uma solução construtiva engenhosa foram factores decisivos para a transformação deste monumento cénico numa marca emblemática da cidade de Olisipo . ABSTRACT The construction of the theater at the beginning of the first century AD, ushered in a new urban reality in the ancient city of Olisipo . The choice of location for the construction of this building, situated in the slope of a very steep hill, forced an ambitious engineering project and deep slope containment.On the south side of the theater, terraces or platforms were created to overcome the sharp slope, forcing the removal of a huge soil amount and a careful planning of the construction.A wise use of natural resources along with an ingenious constructive solution were, undoubtedly, determining factors for the transformation of this building into an iconic landmark in the city Olisipo. INTRODUÇÃO A intervenção arqueológica levada a cabo na parte sul do monumento cénico foi suscitada pela cria-ção, em 2001, do Museu do Teatro Romano. O facto de este museu englobar vários edifícios, abrangen-do uma vasta área, levou a que, ainda no decurso das obras de adaptação, se realizassem campanhas arque ológicas no local.Passado mais de uma década do início daqueles tra- balhos, finalizados em 2011, pensamos poder apre-sentar algumas conclusões quer sobre o tipo de ocu-pação que este local sofreu, quer sobre as soluções de engenharia que possibilitaram a edificação do teatro neste preciso local – actualmente na conflu-ência entre as ruas de S. Mamede e da Saudade – nos inícios do séc. I d.C. (Figura 1).O encerramento do Museu do Teatro Romano por um período de cerca de nove meses 1 , destinado à im-plementação da “2ª fase do Projecto de Recuperação e Valorização”, prevê igualmente a integração dos ves tígios 1 arqueológicos colocados a descoberto de forma a possibilitar a sua fruição pública.O enorme volume de informação que fomos reco-lhendo ao longo de múltiplas campanhas de escava-ção, abrangendo contextos cronológicos muito mais amplos que o do próprio monumento cénico (ge ne - ricamente desde a Idade do Ferro até ao séc. XIX) permitem a formulação de ideias mais claras sobre a evolução histórica deste local antes e depois da edi-ficação do teatro romano. 1. A ÁREA DE IMPLANTAÇÃO Localizada junto à foz de um rio navegável, Olisipo  desde cedo tirou partido desta situação privilegia-da. O relevo acentuado promoveu a defesa natural 1. O Museu do Teatro Romano foi encerrado no dia 2 de Maio de 2013 e prevê -se a sua reabertura para inícios do pró ximo ano.   766 do local e a criação de hierarquias construtivas de-finidas pela proximidade/afastamento em relação ao rio. O substracto geológico, de enorme varieda-de, favoreceu o seu aproveitamento, recorte e hábil utilização, no alicerçamento de edifícios ou como matéria -prima. O elevado número de achados de cronologia sidéri-ca registados junto à zona ribeirinha (entre outros Bugalhão, 2001), evidencia uma ocupação intensa de toda a orla costeira, mas que se estende, de igual modo, na zona de encosta, o que é comprovado pe-los achados detectados na área intervencionada jun-to ao  postcaenium  do teatro, no interior do Museu do Teatro Romano (Fernandes & Coroado, no pre-lo) - os quais também apresentamos neste encontro - ou ainda nas imediações do mesmo, como acon-teceu na intervenção arqueológica, realizada em 2009, no Pátio do Aljube (Fernandes & alii  , no pre-lo), na Rua de S. Mamede nº 15, (Pimenta, Silva & Calado, no prelo) ou na Sé de Lisboa (Amaro, 1993). Em 2010, na parte sul do pátio do Museu do Teatro Romano (nº 3 -b da Rua de S. Mamede), exumaram--se, a uma profundidade superior a 9m (c. 32m c.a.) dois fornos de produção cerâmica, enquadráveis nos sécs. III/II a.C. (Fernandes & Coroado, no pre-lo), assim como algumas estruturas de época repu- blicana (Figura 2).Estes achados, evidenciam um intenso aproveita-mento do subsolo. As estruturas, escavadas no subs-tracto argiloso, demonstram que a vegetação pré -e-xistente foi intensamente aproveitada, certamente utilizada para a laboração dos próprios fornos, não tendo sido registado qualquer indício paleobotânico. Estas estruturas negativas, levaram à criação de su-mários patamares na encosta, a qual evidencia acen-tuado declive, de forma a aproveitar o terreno a meia encosta, sobranceiro ao rio.Sobrepostas a estas estruturas e responsáveis pela sua desactivação, foram registados alguns muros em pedra vã que enquadramos cronologicamente no séc. II a.C. pelos materiais cerâmicos então recolhidos. Posterior a todas as estruturas mencionadas, uma outra, de maiores dimensões, sobrepôs -se, aprovei-tando também a rocha. A edificação do teatro de Olisipo  foi responsável pela destruição de todas as construções que acabamos de mencionar. Uma vez que se encontravam escavadas no afloramento, a edificação do teatro mais não fez que as absorver na própria construção. 2. OS TRABALHOS INICIAIS DA CONSTRUÇÃO Podemos hoje admitir que os primeiros trabalhos de construção do teatro se iniciaram pela realização de um ambicioso projecto de engenharia que determi-nou as necessárias soluções para a concretização da ideia de edificação de um teatro em tão acentuada pendente. A ideia, ou projecto, é prévia e responde ao objectivo do investimento, o qual, em nossa opi-nião, terá que provir, obrigatoriamente, do poder central ou de um seu directo representante, em situ-ação muito próxima da que encontramos em Emerita  Augusta  onde o teatro é mandado fazer por Marco V. Agripa (Álvarez Sáens de Buruaga, 1982, p. 311).Significa isto que, antes da verdadeira edificação do edifício cénico, foi a encosta sul que atraiu as prin-cipais preocupações dos arquitectos/engenheiros, sen do o local onde se verificaram os primeiros tra- balhos de engenharia. A opção de construir um tão grande edifício numa encosta virada a sul e não em sítio plano, mostrando evidente oposição aos preceitos vitruvianos (Livro  V, Cap. III), leva a considerar que profundas fun-damentações informaram tal opção. Apesar de não conhecermos com precisão o paleosolo deste local, estamos em presença de um desnível topográfico com cerca de 16 m, que se desenvolve numa dimen-são de quase 22 m entre a parte central do edifício cénico e o decumanus  que, possivelmente, se locali-zaria próximo do traçado da actual R. Augusto Rosa (Mantas, 1997, pp. 25 -26).As várias campanhas arqueológicas desenvolvidas na parte sul do teatro, em área abrangida pelo mu-seu dedicado ao monumento, assim como as leva-das a cabo no pequeno largo defronte da fachada do museu, junto à Rua Augusto Rosa (Fernandes, Sepúlveda & Antunes, 2012, pp. 44 -55), permiti-ram a obtenção de novos dados e o registo de múlti-plos vestígios, possibilitando novas interpretações. Com efeito, partindo do edifício cénico e não da análise individual das estruturas detectadas desde 2001, podemos estabelecer uma visão de conjunto e um entendimento do faseamento da obra e ampli-tude do projecto de engenharia. 3. O SISTEMA DE ENGENHARIA A primeira estrutura que surgiu nas intervenções ar-queológicas iniciadas em 2001 – aquando das obras   767 Arqueologia em Portugal – 150 Anos de adaptação dos edifícios pombalinos a Museu do Teatro Romano – foi a enorme estrutura do  postca-enium . Tendo surgido a pouco mais de 20cm do pa-vimento actual, esta estrutura conserva, em alguns locais, mais de 9m de altura. Apresenta um com-primento total de quase 21m 2  tendo sido atingido o seu limite na parte nascente. O seu prolongamento por baixo do actual edifício pombalino, mostra cla-ramente que foi reutilizado para o assentamento das fachadas com frente para a Rua de S. Mamede nsº 3 -a e 3 -b. Esta pré -existência condicionou, assim, as opções arquitectónicas e urbanísticas até aos nos-sos dias, uma vez que a parte mais elevada da R. S. Mamede coincide precisamente com a implantação do  postcaenium  (Fernandes & Almeida, no prelo) e, igualmente, com a fachada cénica . Esta estrutura emprega de forma sistemática o opus caementicium , com recurso à pedra local, o biocalca-renito (coloração bege/amarelada), também obser-vável no interior do edifício cénico: degraus da imma cavea ; infra -estruturas superiores que suportariam as restantes bancadas; enchimento do aditus maxi-mus  nascente (face norte). Nestes locais, a rocha é aproveitada, servindo simultaneamente de “cofra-gem” para o enchimento da restante área com opus caementicium . A utilização de cal viva na argamas-sa pos -sibilitou uma maior rapidez construtiva. Por outro lado, a areia empregue neste aparelho é essen-cialmente quartzítica, oferecendo um maior poder de agregação. O emprego deste cimento de excepcio-nais qualidades foi generalizado no teatro de Olisipo .Na estrutura do  postcaenium  foi também empregue o opus quadratum e incertum . Com efeito, observam--se simultaneamente estes sistemas ainda que em-pregues em áreas específicas. O primeiro é utilizado no cunhal da estrutura do lado nascente (o único exumado) onde se observam in situ  cinco fiadas de cantarias, dispostas alternadamente em face/testa, numa altura conservada de quase 3m. Na parte poen-te desta estrutura, outros três locais apresentam es-tas cantarias, funcionando como “contrafortes”: um no limite poente da área intervencionada, mantendo quatro fiadas de silhares (o maior com uma dimensão de 1,30mX0,46m) numa altura de c. 3,5m, outro por  baixo da actual parede pombalina com 4,5m de altura conservada e por fim, um outro, próximo do cunhal acima referido com 2,50m (Figura 3). 2. Deste comprimento 8,76m foram identificados em 2001 e a dimensão restante exumada entre 2005 e 2006. Estes “contrafortes” apresentam uma largura mais ou menos constante de cerca de 1,50m (cerca de 5PR) ainda que o distanciamento entre si não seja constante 3 . Esta enorme construção, com uma lar-gura de 4,50m (15,2 PR), possuía no seu interior es-paços ocos, criando compartimentos que poderiam ser utilizados para guardar adereços das encenações ou para qualquer outro fim. A existência destes es-paços rectangulares vazios agilizava esta estrutura, e permitia o aproveitamento da sua área interna (Figuras 4 e 5). Curiosamente, foi numa destas áreas que, no séc. XII se implantou uma unidade habitacional, aprovei-tando -a e escavando, no opus caementicium , um silo (Fer nandes, Coroado & Calado, 2012, no prelo).Para além desta enorme estrutura, a continuação da escavação na zona do pátio do museu  4  permitiu exu-mar uma outra, também conservada numa altura su-perior a 9m e que se implanta na zona sul do pátio por  baixo do actual terraço. Este enorme muro pode ser atribuído aos sécs. XVI/XVII na sua parte superior mas o seu embasamento, conservado em cerca de 4m de altura, é claramente romano, coevo da constru-ção do  postcaenium , do qual dista para sul, cerca de 5,46m (18.5 PR) (Figura 6).Este enorme muro prolonga -se para nascente e po-ente, não tendo sido possível, no primeiro sentido, encontrar o seu limite uma vez que outras estru-turas, de cronologia posterior, adossam à sua face (Figura 7). Na direcção poente esta estrutura ultra-passa a área do pátio (prolonga -se subjacente à casa pombalina), tendo sido reaproveitada como parede de uma habitação do séc. XVII, à semelhança, aliás, do que aconteceu com o  postcaenium  o qual consti-tui a parede norte dessa mesma habitação.Temos, assim, duas estruturas, sensivelmente pa-ralelas entre si que têm por função a contenção da colina e a criação de plataformas artificiais entre si. A intervenção arqueológica permitiu concluir por esta funcionalidade uma vez que a totalidade dos depó-sitos encontrados – exceptuando os níveis republi-canos e da Idade do Ferro identificados na parte mais profunda deste espaço, junto à rocha – correspondia 3. Temos de poente para nascente, afastamentos de 22PR (6,60 m), 25PR (7,30 m) e, por último e até ao cunhal desta estrutura, 12PR ½ (3,70m), medidas estas tomadas do eixo, num total de quatro “contrafortes” visíveis até a o momento. 4. Zona expectante onde se localizava o antigo jardim da casa pombalina.
Search Related
We Need Your Support
Thank you for visiting our website and your interest in our free products and services. We are nonprofit website to share and download documents. To the running of this website, we need your help to support us.

Thanks to everyone for your continued support.

No, Thanks